Suomen sivusto, jossa voit ostaa halvalla ja laadukas Viagra http://osta-apteekki.com/ toimitus kaikkialle maailmaan.

Yritti äskettäin viagra, se toimii erittäin tehokkaasti)) Ostaa Internetin kautta täällä levitra Myös ostaa levitra oikeudenkäynti, vaikutus on silmiinpistävää.

ProteÇÃo do extrato aquoso da planta plectranthus

IX SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS DA UNESP – DRACENA
X ENCONTRO DE ZOOTECNIA DA UNESP – DRACENA
I ENCONTRO DA ENGENHARIA AGRNÔMICA DA UNESP – DRACENA
11 e 12 DE SETEMBRO DE 2013
Eficácia anti-helmíntica de diferentes princípios ativos em bovinos de
corte naturalmente infectados em pasto na região da Alta Paulista
Camila F. Bezerra da Silva*1, Helen de S. Oliveira1, Vitor S. Ottoboni1, Patrícia K. A. Silva3, Paulo H. *Graduanda em Zootecnia da Unesp/Dracena - SP; Rod. Cmte João Ribeiro de Barros, km 651 Bairro das Antas; 17900-000 Dracena – SP. E-mail: *camilaferrazb@hotmail.com 1Graduandos em Zootecnia – Unesp/Dracena – SP. 2Professor Dr. da Unesp/Dracena – SP. E-mail: soutello@dracena.unesp.br 3 Mestranda do PPG em Ciência e Tecnologia Animal – Unesp/Dracena. 4Graduando em Medicina Veterinária da Faculdade de Ciências Agrárias de Andradina – SP. Introdução
O aumento da produtividade é uma necessidade prioritária imposta pelo mercado consumidor de criadores tanto de gado de corte, como o de leite. Entretanto, as parasitoses gastrintestinais constituem um dos principais entraves na produção bovina em todo o mundo, especialmente nas regiões tropicais, onde os prejuízos econômicos são mais acentuados (AGUIAR et al., 2004). A maior consequência do parasitismo gastrintestinal em bovinos é causada por sua alta morbidade nos animais, resultando em baixo índice de crescimento, retardo na idade de abate e queda no rendimento econômico (SOUTELLO et al., 2007). A principal forma de controle da verminose na bovinocultura é a utilização de fármacos anti-helmínticos (CEZAR et al., 2010), gerando despesas com aquisição de drogas e o aumento de mão de obra (VIEIRA, 2003). A atividade anti-helmíntica dos endectocidas depende, entre outros fatores, de sua concentração, do tempo de exposição ao parasito, da condição corpórea, da via de administração e da espécie a que é destinada. Segundo BORGES et al. (2003), pequenas diferenças nas formulações podem eventualmente causar importantes e significativas alterações na atuação e consequente eficácia, o que torna imprescindíveis estudos farmacológicos mais aprofundados sobre os compostos envolvidos. A utilização constante e indiscriminada de fármacos tem contribuído para o surgimento de parasitos resistentes. Poucos produtores realizam um esquema racional de alternância de drogas anti-helmínticas, além da utilização sem um enfoque estratégico e em períodos errados, considerada a principal causa da resistência adquirida dos vermes à estas drogas. IX SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS DA UNESP – DRACENA
X ENCONTRO DE ZOOTECNIA DA UNESP – DRACENA
I ENCONTRO DA ENGENHARIA AGRNÔMICA DA UNESP – DRACENA
11 e 12 DE SETEMBRO DE 2013
Objetivos
O trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar a eficácia de alguns endectocidas injetáveis mais disponíveis no mercado, analisando a redução da contagem de ovos por grama de fezes (R-OPG). Material e Métodos
Foram utilizados 75 garrotes mestiços com 10 meses de idade, contemporâneos, oriundos do mesmo lote de matrizes que não receberam anteriormente nenhum tipo de tratamento anti-helmíntico a mais de 90 dias. Os animais foram mantidos em pasto formado por Brachiaria decumbens de uma propriedade localizada no município de Dracena-SP, sendo distribuídos uniformemente em cinco grupos homogêneos contendo 15 animais ordenados de acordo com OPG individual. As coproculturas foram realizadas dentre os grupos conforme o grau de infecção em “pool” de acordo com o nível de OPG (ROBERTS e O’SULLIVAN, 1950) e as larvas infectantes identificadas segundo Keith (1953). Os animais receberam o tratamento anti-helmíntico com quatro diferentes princípios ativos, e um grupo controle sem aplicação de fármaco. Sendo eles: grupo 1 Sulfóxido de Albendazole 14,4% (Ricobendazole®), grupo 2 Levamisol 18,8% (Ripercol®), grupo 3 Moxidectina 1% (Cydectin®), grupo 4 Ivermectina 1% (Ivomec®), e o grupo 5 não recebeu tratamento anti-helmíntico (grupo controle). As amostras fecais de cada animal foram coletadas no dia da aplicação e com sete dias após a aplicação do anti-helmíntico, para a quantificação do OPG e realização da cultura de larvas. Foi determinada a redução das contagens de OPG (R-OPG) dos grupos tratados em relação ao grupo controle com base nas médias aritméticas após os tratamentos com os dados analisados pelo programa estatístico RESO conforme preconizado pela Associação Mundial para o Desenvolvimento da Parasitologia Veterinária (COLES et al., 1992). Sendo a redução das contagens de OPG (R-OPG) quantificadas a partir da seguinte fórmula: R-OPG = 100 - (T / C) x 100, onde: T = média de OPG do grupo tratado 7 dias após a aplicação do anti-helmíntico C = média de OPG do grupo controle 7 dias após a aplicação do anti-helmíntico no IX SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS DA UNESP – DRACENA
X ENCONTRO DE ZOOTECNIA DA UNESP – DRACENA
I ENCONTRO DA ENGENHARIA AGRNÔMICA DA UNESP – DRACENA
11 e 12 DE SETEMBRO DE 2013
Resultados e Discussões
As porcentagens de redução de acordo com a contagem de ovos por grama de fezes (OPG) dos grupos 1, 2, 3 e 4 foram de 92%, 97%, 79% e 47% respectivamente. Seguindo as recomendações da World Association for the Advancement of Veterinary Parasitology (Coles et al. 1992) considerou-se que abaixo de 90% de redução os helmintos apresentam resistência ao principio ativo, entre 90% e 95% suspeita de resistência e acima de 95% eficiência do vermífugo; analisando os resultados observou que apenas o Levamisol apresentou eficácia e o Sulfóxido de Albendazole apresentou suspeita de resistência. No Rio Grande do Sul, ECHEVARRIA & PINHEIRO (1999) relataram redução de OPG inferior a 90% em 20%, 6% e 4% das propriedades avaliadas, após o tratamento, respectivamente, com ivermectina, fosfato de lavamisol e albendazol. Em Santa Catarina, SOUZA et al. (2004) verificaram que 72% das propriedades avaliadas apresentavam nematódeos com resistência a ivermectina, 12% ao fosfato de levamisol e 4% ao sulfóxido de albendazol. A resistência a ivermectina é mais comum que a resistência ao moxidectina, sulfóxido de albendazol e levamisol. Esta diferença pode estar ocorrendo por várias razões, podendo a principal estar relacionada a sua maior freqüência de utilização que os demais produtos. Após cada tratamento, o anti-helmíntico exerce pressão de seleção na população de parasitas, o que resultaria no surgimento relativamente rápido de populações resistentes. Conclusões
Desta forma, pode-se concluir que a Ivermectina demonstrou o menor percentual de eficácia, devido, provavelmente, à resistência dos parasitas a esta droga causada pelo intenso uso na região. Referências
AGUIAR, D.M. et al. Eficácia da ivermectina 3,5% injetável contra infecção natural contra nematóides
gastrintestinais em bezerros. Arquivos Instituto Biológico, v.71, (supl), p.1-749, 2004.
BORGES, F.A. et al. Ação anti-ixodídica de uma formulação de ação prolongada
(ivermectina+abamectina) contra Boophilus microplus parasitando bovinos naturalmente infestados. A
Hora Veterinária
. ed. Extra, n.5, p. 12-15, 2003.
CEZAR, A. S.; VOGEL, F. S. F.; SANGIONI, L. A.; ANTONELLO, A.M.; CAMILLO, G; TOSCAN,
G.; ARAUJO, L.O. Ação anti-helmíntica de diferentes formulações de lactonas macrocíclicas em cepas
resistentes de nematódeos de bovinos. Pesq. Vet. Bras. v.30, p.523-528, 2010.
IX SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS DA UNESP – DRACENA
X ENCONTRO DE ZOOTECNIA DA UNESP – DRACENA
I ENCONTRO DA ENGENHARIA AGRNÔMICA DA UNESP – DRACENA
11 e 12 DE SETEMBRO DE 2013

COLES G.C., BAUER C., BORGSTEEDE F.H.M., GEERTS S., KLEI T.R., TAYLOR M.A. &
WALLER P.J. 1992. World Association for the Advancement of Veterinary Parasitology (W.A.A.V.P.)
methods for the detection of anthelmintic resistance in nematodes of veterinary importance. Vet.
Parasitol.
44(1/2): 35-44
ECHEVARRIA, F.A.M.; PINHEIRO, A.C. Eficiência anti-helmíntica em bovinos. SEMINÁRIO
BRASILEIRO DE PARASITOLOGIA VETERINÁRIA. Salvador. Anais. p. 150, 1999.
SOUTELLO, R. V. G. ; SENO, M. C. Z. ; AMARANTE, A. F. T. . Anthelmintic resistance in cattle
nematodes in northwestern São Paulo State, Brazil. Veterinary Parasitology., v. 148, p. 360-364,
2007.
SOUZA, A.P.; RAMOS, C.I.; DALAGNOL, C.; BELLATO, V.; SARTOR, A.A.; BAPTISTA, A. A.S.
Resistência de helmintos gastrintestinais de bovinos a anti-helmínticos no planalto catarinense. Rev.
Bras. Parasitol. Vet
., v. 13, supl. 1, p. 275, 2004.
VIEIRA, L. S. Alternativas de controle da verminose gastrintestinal dos pequenos ruminantes. In:
CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MEDICINA VETERINÁRIA, 5., 2003, Recife. Anais.
Recife: Sociedade Pernambucana de Medicina Veterinária. p. 236-246, 2003.
NÚMERO DE PROTOCOLO DE ÉTICA: 20/2013

Source: http://www.dracena.unesp.br/Home/Eventos/sicud2013/camila-ferraz-bezerra-da-silva-eficacia.pdf

801659 1129.1135

International Journal of Obesity (2001) 25, 1129±1135ß 2001 Nature Publishing Group All rights reserved 0307±0565/01 $15.00www.nature.com/ijoPAPERConjugated linoleic acid (CLA) reduced abdominaladipose tissue in obese middle-aged men with signsof the metabolic syndrome: a randomised controlledtrialU RiseÂrus1*, L Berglund1 and B Vessby11Clinical Nutrition Research Unit, Department of Pub

fimmg.livorno.it

La gestione dell’ Emergenza Pandemia (nuova influenza da virus A/H1N1v) da parte del Medico di Medicina Generale* PREMESSA La nuova influenza da virus A/H1N1v è un infezione virale acuta dell’apparato respiratorio con sintomi fondamentalmente simili a qu elli classici dell’influenza stagionale : febbre ad esordio rapido, tosse, mal di gola, malessere generale. L’influenza d

Copyright © 2010-2014 Medical Pdf Articles